Maior best-seller do século XIX, o livro “A cabana do pai Tomás”, de Harriet Beecher Stowe, levantou pela primeira vez e com grande estrondo a questão da desumanidade da escravidão. Escrito antes da guerra civil americana, o livro atravessou séculos de história transformando seu sentido, mas sem nunca deixar de levantar questões pertinentes. Por que o livro é fundamental ainda hoje? Qual o papel de um livro numa luta como a anti-escravidão?

 

No Narrativas 04, Graziella Beting, editora da Carambaia, conversa com o historiador Danilo José Zioni Ferretti e o tradutor Bruno Gambarotto sobre o livro “A cabana de pai Tomás”.

 

 

 

 

Durante o bate-papo, citamos os seguintes livros, escritores, séries, filmes, música e etc:

 

Escritores

Walt Whitman

Ralph Waldo Emerson

Herman Melville

Henry David Thoreau

Gustave Flaubert

James Fenimore Cooper

 

Livros

A Cabana do pai Tomas, de Harriet Beecher Stowe, tradução de Francisco Ladislau Álvares d'Andrada, Rey et Belhatte, 1853;

Moby Dick, Herman Melville, Nova Fronteira, 2017;

Benito Cereno, de Herman Melville, Grua Livros, 2018;

A key to Uncle Tom’s Cabin, de Harriet Beecher Stowe, 1953;

Dicionário da escravidão e da Liberdade, de Lilia Schwarcz e Flavio Gomes (orgs), Companhia das Letras, 2018;

Angola Janga, de Marcelo D’Salete, Veneta em 2017;

Cumbe, de Marcelo D’Salete, Veneta, 2014.

 

O Narrativas, podcast da editora Carambaia, é gravado no estúdio da Central 3, em São Paulo, e tem a produção de Clara Dias e Beatriz Reingenheim e edição de Leandro Iamin. A trilha sonora é composta e executada por Bruno Bething.