Digite e aperte "Enter".
x Fechar

Carrinho

Infelizmente você ainda não possui produtos no seu carrinho.

Continuar comprando
Fechar icon_close

Karin Boye

Nasceu em Gotemburgo, em 26 de outubro de 1900. Em seu país é reverenciada como uma grande e proeminente poetisa, mas é internacionalmente conhecida pelo romance distópico Kallocaína (1940). Morreu em 1941.

Compartilhe icon_share

Kallocaína - romance do século XXI

Karin Boye

Disponível: Em estoque

R$ 86,90
6x de R$ 14,48 no cartão sem juros
Calcule o frete:

Ficha Técnica

Dimensão 16,5 x 13,5 cm
Volume 1
Editora Carambaia
Idioma Português
ISBN 978-85-69002-62-8
Número de páginas 256
Peso 286 gramas
Ano de publicação 2019
Acabamento Capa dura com serigrafia fotoluminescente 
Tiragem 1.000

Sinopse

Numa época em que as distopias parecem tão próximas, a CARAMBAIA lança Kallocaína - romance do século XXI, ficção futurista escrita em 1940 sobre uma sociedade baseada no controle estrito dos cidadãos por um Estado todo-poderoso. Nesse contexto, a invenção de um soro da verdade – a kallocaína do título – equivale à arma que faltava para dominar o último território rebelde do ser humano, seu pensamento. A autora Karin Boye (1900-1941), cultuada na sua Suécia natal como extraordinária poeta modernista, ganhou atenção internacional com este romance. Sua projeção de um Estado radicalmente totalitário o coloca ao lado de outras três obras perturbadoras escritas na primeira metade do século XX: Nós, de Ievguêni Zamiátin (1924), Admirável mundo novo (1932), de Aldous Huxley, e 1984 (1948), de George Orwell – todas criadas sob a inspiração do seu tempo, quando o espectro da tirania rondava a Europa.



Kallocaína se passa na subterrânea e sufocante Cidade Química nº 4, pertencente a um autodenominado Estado Mundial. Apesar desse nome, os personagens sabem vagamente que há outras regiões habitadas no mundo e que ocorreu uma Grande Guerra num passado indeterminado. A época, como informa o subtítulo do romance, é algum momento do século XXI. Leo Kall, o cientista que inventou a kallocaína, dá início à narrativa quando se encontra recolhido a uma prisão do estado, ao mesmo tempo que conduz testes da substância em cobaias humanas. Comprovada sua eficácia, a kallocaína passa a ser um instrumento da polícia.


O livro tem tradução de Fernanda Sarmatz Åkesson, diretamente do sueco. O projeto gráfico é de Julia Masagão, e faz alusão à ideia de vigilância social, representado pela figura do olho. A serigrafia com tinta fotoluminescente na capa faz com que o olho continue seguindo o leitor, mesmo com a luz apagada.


Embora seja apenas mais um “camarada soldado”, Kall se orgulha de fazer parte de uma história que considera bem-sucedida: “Do individualismo ao coletivismo, do isolamento à comunidade, assim havia sido a jornada desse imenso e sagrado organismo, no qual o indivíduo nada mais é do que uma célula sem maiores significados que servir o conjunto do organismo”.


O apreço pela ordem racional, no entanto, esbarra em suas emoções demasiado humanas, como a inveja, o ciúme e o apego aos filhos, que no Estado Mundial são separados da família aos 7 anos e enviados a campos de crianças. O sucesso de sua invenção não impede que Leo Kall comece a se sentir insatisfeito e especular sobre a possibilidade de ser feliz. O individualismo, apesar de toda repressão, não o abandona: “A complexidade da minha existência tinha se tornado gigantesca enquanto o sentido do conjunto diminuíra imensamente”.


Para aplacar o ciúme e afastar a desconfiança de que sua mulher mantém um relacionamento secreto com seu chefe imediato nos experimentos com cobaias, promove o uso do medicamento para arrancar confissões e delações. Contudo, pequenos deslizes verbais do próprio Kall levam o Ministério da Propaganda, responsável por zelar pela ética do Estado, a convocá-lo a depor sob suspeita de ser um “relutante”. A crise do cientista ocorre no momento em que uma guerra se avizinha e o Estado Mundial intensifica a vigilância para identificar conspiradores. Kall consegue se valer dos efeitos do medicamento em benefício próprio, mas a um custo alto e duvidoso.


Apenas um ano separou Kallocaína do suicídio de sua autora. No posfácio da edição da CARAMBAIA, Oscar Nestarez, especialista em literatura fantástica, conta que Karin Boye qualificou, numa carta a seu editor, como “pura tortura” a criação do romance e prometeu nunca mais escrever algo “tão macabro”. A vida de Boye encontra algum paralelo com esse pesadelo. Nascida em Gotemburgo, ela estudou nas universidades de Uppsala e Estocolmo, fundou com outros poetas a revista Spektrum, que introduziu na Suécia o surrealismo e a poesia de T. S. Eliot.


A escritora, que integrou o movimento socialista internacional Clarté, viajava a Berlim para sessões de psicanálise e presenciou com horror a ascensão do nazismo. Em 1941, ano de avanço da Alemanha nazista na Segunda Guerra Mundial, Boye se suicidou ingerindo uma dose fatal de barbitúricos. Deixou contos, cinco livros de poemas e cinco romances. O terceiro, Crise (1934), trata dos conflitos que viveu entre a homossexualidade e a formação cristã.



Tradução: Fernanda Sarmatz Åkesson
Posfácio: Oscar Nestarez
Projeto gráfico: Julia Masagão

Veja mais

Você também pode gostar

© 2016 Editora Carambaia EIRELI | CNPJ: 19.868.501/0001-12 - Rua Américo Brasiliense, 1.923, conj. 1502 - Chácara Santo Antônio - São Paulo / SP - 04715-005

Desenvolvido por: