Descrição

Breve e extraordinariamente contundente, A honra perdida de Katharina Blum trata dos mecanismos de difamação e violência psicológica a que estão submetidos cidadãos comuns mesmo em democracias estabelecidas como a Alemanha Ocidental dos anos 1970. Escrito nessa época (1974), é um relato seco que, se nunca perdeu fôlego, ganha novas dimensões com o atual domínio dos meios de comunicação digitais, em particular o fenômeno das fake news. Sua atualidade e precisão são um desdobramento coerente da obra do autor, Heinrich Böll (1917-1985), prêmio Nobel de Literatura de 1972 e dono de uma percepção crítica e impiedosa de seu tempo.

Katharina Blum é uma jovem que vive de serviços domésticos, numa rotina organizada e sem sobressaltos. Conhece um homem numa festa de carnaval e passa a noite com ele em sua casa. A polícia a procura no dia seguinte para interrogá-la, uma vez que o recém-conhecido, chamado Ludwig Götten, é suspeito de vários crimes. O caso adquire notoriedade e passa a ser um filão rentável para um diário sensacionalista identificado no livro como O JORNAL, disposto a “provar” que Katharina é cúmplice de Götten. Sua vida é escrutinada e virada ao avesso para o deleite de uma parte da opinião pública. Suspeitas, depoimentos mal-intencionados e mentiras servem para construir (ou destruir) uma personalidade tida como culpada. Katharina é acusada de abandonar seus pais idosos, ser sexualmente promíscua, ter simpatias esquerdistas, esconder uma riqueza de origem obscura e fazer “estranhos” passeios noturnos de carro. A pressão sobre Katharina leva a um desenlace trágico, revelado já nas primeiras páginas do livro.

A trama tem relação direta com um episódio da vida do autor, que havia sustentado uma polêmica com o jornal sensacionalista Bild, o mais lido do país. Na abertura do livro, Böll subverte ironicamente a tradicional declaração de que o enredo e os personagens são fictícios acrescentando: “Se, em descrições de certas práticas jornalísticas, surgirem semelhanças com as do jornal Bild, isso não se deu por acaso ou premeditação; foi, isso sim, inevitável.” O escritor, que pautou sua vida pela defesa dos direitos humanos e por uma análise quase clínica do passado da Alemanha, havia se engajado por um julgamento justo – isto é, que obedecesse às garantias fundamentais do estado de direito – dos líderes da organização terrorista Fração do Exército Vermelho (conhecida como Grupo Baader- Meinhof) diante de acusações sem provas publicadas na imprensa. Uma campanha difamatória foi lançada pelo Bild contra Böll, qualificado de defensor de terroristas – e seguiu-se uma revolta de leitores que incluiu ameaças de morte.

A honra perdida de Katharina Blum foi publicado originalmente pela revista Der Spiegel, a mais conceituada da Alemanha, não sem algum desentendimento com o autor. No ano seguinte, foi lançada a versão cinematográfica do livro, dirigida por Margarethe von Trotta e Volker Schlöndorff, que mais tarde realizaria a versão de O tambor, de Günter Grass. Böll era um dos escritores mais lidos do país, e tanto o livro como o filme alcançaram ampla repercussão dentro e fora da Alemanha.

Autor(a)

Heinrich Böll (1917-1985), Nobel de Literatura de 1972 é tido, ao lado de Günter Grass (Nobel de 1999), como os grandes nomes da literatura alemã do pós-guerra. Ambos publicaram seus primeiros livros entre o fim dos anos 1940 e inicio dos 1950, em reação à produção literária da época, marcada por certa condescendência com o passado nazista. As obras da nova leva de escritores abrangiam desde a sobrevivência das ruínas do pós-guerra (qualificadas pejorativamente de “literatura dos escombros”) até o acompanhamento do gradual “milagre” econômico do período de reconstrução do país, com todas as mudanças de valores e crises morais do período. Böll, em particular, adotou uma abordagem e um estilo realistas, ainda que embebidos de ironia. Ao lado de Grass e de nomes respeitados como Martin Walser e Hans Magnus Enzensberger, Böll integrou o Grupo 47, uma associação de escritores que decidiram lutar por uma sociedade pacífica, democrática, socialmente justa e guardiã da liberdade de expressão.

Böll sentiu na pele as duras transformações da Alemanha no século XX. Nascido em Colônia, foi convocado para o Exército em 1938. Lutou na frente russa, entre outras. Foi ferido, desertou e tornou-se prisioneiro de guerra, experiência que resumiu como “o destino amedrontador de ser um soldado e ter que desejar a derrota na guerra”. De volta a Colônia, começou a publicar regularmente em 1947. Destacaram-se Pontos de vista de um palhaço (1953), grande sucesso de público; Bilhar às nove e meia (1959) e Retrato de grupo com uma dama (1971), um panorama da Alemanha da Segunda Guerra Mundial até os anos 1970, citado como o livro que coroou sua carreira no texto que justificou seu prêmio Nobel. Eterno militante, Böll acolheu o escritor russo Aleksandr Soljenítsyn quando este foi deportado da União Soviética, e foi presidente do Pen Club, comunidade internacional de escritores. A Fundação Heinrich Böll, que atua em mais de 100 países, incluindo o Brasil, pretende defender os direitos humanos e as causas ambientais.

Ficha Técnica

Informação Adicional

Ocultar preço N/A
PDF primeiras páginas N/A
Dimensão (cm)
Peso (g)
Ano de Publicação 2022
Número de Páginas
Encadernação e Acabamento
ISBN 978-65-86398-56-4
Escritor(a) Heinrich Böll
Tradutor(a) Sibele Paulino
Ensaísta(s) Paulo Soethe
Designer
Ilustrador(a)
Idioma Original Alemão
tradutor ensaio

Talvez você se interesse por estes produtos

Formas de Pagamento

formas de pagamento

Livro Acessível

Selos de Segurança

selo segurança - site seguro

Aguarde...

ou
ou