Descrição

Em busca de reconhecimento literário e para escapar das acusações de libertinagem e depravação, Marquês de Sade produziu diversas novelas que dialogam com as regras de pudor e decência do século XVIII

A primeira singularidade das Novelas trágicas reunidas aqui é que se tratam de textos do Marquês de Sade (1740-1814) destituídos de descrições de atos sexuais e torturas. Todas elas foram escritas entre 1787 e 1788, enquanto seu polêmico autor estava preso na Bastilha — onde passou, aliás, boa parte de sua vida. Ao que tudo indica, Sade redigiu essas novelas em busca de reconhecimento literário e para convencer a opinião pública de que não era o autor de livros obscenos que circulavam anonimamente.

O projeto de narrar histórias "contidas nas regras do pudor e da decência" rendeu dezenas de novelas e contos, deixados em cadernos manuscritos. A leitura dos textos reunidos aqui deixa claro que Sade cumpriu com dedicação os requisitos que elegeu como obrigações dramáticas do romance, sobretudo compor "personagens vigorosos que, joguetes e vítimas daquela efervescência do coração conhecida com o nome de amor, nos mostram dele, de uma só vez, os perigos e os infortúnios". Na alma e na ação dos personagens, contudo, esconde-se o mesmo escritor subversivo e cruel das páginas libertinas.

Autor(a)

Donatien Alphonse François de Sade passou quase metade de seus 74 anos de vida encarcerado sob acusação de promover orgias, praticar abusos sexuais e provocar danos físicos. Só assinou duas obras durante a vida – além de Crimes do amor, o romance epistolar Aline e Valcour (1795). O período de cinco anos que passou na Bastilha terminou em 1789, poucos dias antes de o presídio ser invadido pelos revolucionários. Sade, que via na queda da monarquia a possibilidade de surgimento de uma época de liberdade irrestrita, se engajou na nova ordem, mas seria preso de novo durante o período do Terror. Mais tarde, também o regime de Napoleão o jogaria na cadeia. Durante o século XIX, a obra e a pessoa de Sade foram submetidas ao esquecimento forçado, embora manuscritos clandestinos circulassem por mãos célebres como as de Stendhal e Flaubert. Somente no século XX a literatura de Sade voltou à luz, atraindo o interesse de pensadores como Georges Bataille, Theodor Adorno e Simone de Beauvoir.

Ficha Técnica

Informação Adicional

Ocultar preço N/A
PDF primeiras páginas N/A
Dimensão (cm)
Peso (g)
Ano de Publicação 2022
Número de Páginas
Encadernação e Acabamento
ISBN 978-85-69002-80-2
Escritor(a) Marquês de Sade
Tradutor(a) André Luiz Barros
Ensaísta(s) André Luiz Barros
Designer
Ilustrador(a) Zansky
Idioma Original Francês
tradutor ensaio

Talvez você se interesse por estes produtos

Formas de Pagamento

formas de pagamento

Livro Acessível

Selos de Segurança

selo segurança - site seguro

Aguarde...

ou
ou