Descrição

Muitas risadas e algumas pitadas de melancolia aguardam o leitor de Devaneios ociosos de um desocupado, um pequeno clássico a ser descoberto, escrito pelo inglês Jerome K. Jerome (1854-1927). Best-seller em sua época, porém até hoje inédito no Brasil, o livro foi traduzido com o mesmo coloquialismo espirituoso do original por Jayme da Costa Pinto, autor também do posfácio.  

Jerome, que dedica a obra a seu grande companheiro, o cachimbo, vai logo avisando que o ócio – o verdadeiro ócio – não se confunde absolutamente com o cotidiano tedioso de um preguiçoso amador. Dá até certo trabalho. “Há muito preguiçoso no mundo, muito marcha-lenta, mas um ocioso legítimo é coisa rara. Não é o sujeito que anda por aí, passos arrastados, mãos metidas nos bolsos. Ao contrário, a característica mais surpreendente do ocioso é estar sempre ocupadíssimo.” Contanto que tenha a possibilidade de, ao acordar diante de uma pilha de trabalho, virar de lado para aqueles “mais cinco minutinhos” de sono.  

Como em todo melhor humor, a piada começa com o próprio piadista. “O que os leitores hoje em dia buscam em um livro é que sirva para aperfeiçoar, instruir e edificar. Este livro falha nas três frentes. Não posso em sã consciência recomendá-lo para qualquer propósito útil.” Exagero, naturalmente. Pois seguem-se interessantíssimos ensaios sobre assuntos da maior urgência: do amor à privação, do clima à vestimenta, dos animais domésticos à memória, e até os apartamentos mobiliados. Pois, como observa Costa Pinto no posfácio, nem tudo é estrepolia teatral ou pompa vitoriana. Jerome escreve como um “reflexo de um mundo em mudança, menos inocente, às portas de um novo século que seria inaugurado com a Primeira Guerra Mundial”. O livro é de 1886.   

Os pequenos ensaios de Devaneios ociosos de um desocupado começaram a ser publicados individualmente no ano anterior, na revista Home Chimes, publicação que tinha Mark Twain entre seus colaboradores. Dado o enorme sucesso, os textos não tardaram a sair em livro, com mil exemplares na primeira edição, que em pouco tempo se multiplicou por treze.   

É de supor que, além de provocar gargalhadas, os temas do livro tenham também cativado pela proximidade da vida comum dos leitores. Sua descrição dos hábitos paradoxalmente selvagens dos gatos e cachorros domésticos são de uma precisão cômica que só podem provocar identificação. Os tímidos – podemos considerar que todo mundo tem um pouco desse traço de caráter – se reconhecerão comicamente e, de certa forma, se sentirão vingados. E a pervasiva presença da vaidade em todo o universo com certeza fará o leitor pensar no assunto. 

_________________________________________________________________________________________ 

SOBRE A EDIÇÃO 

A edição da CARAMBAIA, lançada em capa dura e tiragem limitada a 1.000 exemplares, numerados a mão, tem projeto gráfico de Alan de Sousa Silva. Inspirado na ambivalência entre acidez e humor presente no texto de Jerome, o livro é ilustrado com fragmentos de um padrão ornamental presente nos clássicos papéis de parede vitorianos, de forma a ambientar o leitor no cenário do livro. As fontes utilizadas na composição da capa e dos títulos misturam o caráter espinhoso da tipografia Moret, inspirada nos letreiros europeus pintados à mão no século XX, com a modernidade séria da Neue Haas Unica. 

Autor(a)

Jerome K. Jerome, nascido na região de Staffordshire, Inglaterra, quase herdou do pai o nome completo. O do pai era Jerome C. Jerome, um pregador e arquiteto que aproveitava suas preleções para tentar lançar a ideia de construir igrejinhas que ele próprio projetava. A vida confortável derivada dessa atividade econômica foi por água abaixo quando Jerome pai decidiu investir em minas de carvão. Miserável, o futuro escritor ficou órfão aos 15 anos, tendo de ir labutar numa estação ferroviária. Entre os 19 e os 21 anos trabalhou como ator, atividade que não lhe trouxe renda alguma. Começou a enviar textos para publicações jornalísticas, e as constantes recusas o obrigaram a se lançar a uma série de empregos temporários.  

A repercussão relativamente boa de um livro de memórias sobre seus anos de teatro foi seguida pelo grande sucesso de Devaneios ociosos de um desocupado. Em 1888, Jerome se casou e a lua de mel foi uma viagem de barco pelo Tâmisa, que o inspirou a escrever Três homens num barco (isso pra não falar do cachorro), um êxito estrondoso que até hoje é publicado  frequentemente – às vezes com apelo infanto-juvenil – e rendeu várias adaptações para o cinema e a televisão.   

Em 1892, Jerome foi convidado a substituir Rudyard Kipling como editor da revista The Idler (não por acaso, O ocioso). O sucesso literário nunca se repetiu totalmente, e em 1898 o escritor publicou uma sequência de Três homens num barco, intitulada Três homens em passeio. Jerome foi um viajante entusiasmado por toda a Europa e manteve amizade com literatos como Kipling, Conan Doyle e Thomas Hardy. Deixou mais de sessenta obras, entre romances, contos, ensaios e peças de teatro.  

Aos 55 anos, voluntariou-se para servir seu país na Primeira Guerra Mundial. Foi rejeitado pelo Exército, mas atuou como motorista de ambulância para as Forças Armadas francesas. Em junho de 1927 sofreu um derrame e morreu no mesmo ano. 

Ficha Técnica

Informação Adicional

PDF primeiras páginas Clique aqui para visualizar
Dimensão (cm) 15,5 x 23,5 x 1,5
Peso (g) 350
Ano de Publicação 2022
Número de Páginas 160
Encadernação e Acabamento Capa dura com laminação e verniz
ISBN 978-65-86398-54-0
Escritor(a) Jerome K. Jerome
Tradutor(a) Jayme da Costa Pinto
Ensaísta(s) Jayme da Costa Pinto
Designer Alan de Sousa Silva
Ilustrador(a) Não
Idioma Original Inglês
tradutor_ensaio Não

Saiu na Imprensa

“Os Devaneios de Jerome estão carregados de opiniões sobre as coisas mais diversas, como um carrossel de ideias.”

Kelvin Falcão Klein, jornal literário da Companhia Editora de Pernambuco

Formas de Pagamento

formas de pagamento

Livro Acessível

Selos de Segurança

selo segurança - site seguro

Aguarde...

ou
ou